Modelando o emprego formal por regiões no Brasil usando GVAR

 

A avaliação das variáveis econômicas é uma parte importante das análises macroeconômicas regionais. No entanto, o aumento da integração dos mercados levou a uma maior interdependência financeira e econômica entre as regiões. Portanto, este artigo usa a metodologia de vetor autoregressivo global (GVAR), que pode enfrentar a maldição da dimensionalidade. Focando no mercado de trabalho brasileiro, tem dois objetivos principais: primeiro, estabelecer um modelo levando em conta as interdependências entre as regiões. Em segundo lugar, estimar a elasticidade regional do emprego em relação à atividade econômica do país. Para este fim, é aplicada a chamada técnica GVAR, que considera as interdependências entre várias regiões e suas dinâmicas temporais em uma estrutura multivariada. O modelo é estimado no nível mesorregional brasileiro, com 137 mesorregiões distintas. O modelo final mostrou-se estável com 128 regiões, 2 relações de cointegração e, e 9 regiões com 1 relação de cointegração. Concentrando-se nas principais regiões brasileiras clássicas (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul, Central), estima-se que a região mais sensível é o Sul, seguido pela região Nordeste e Sul, enquanto as regiões Norte e Central não são afetadas. Uma relação de longo prazo também é estimada indicando um crescimento natural de 694 mil empregos por ano no Brasil.

Veja trabalho completo: link

 

 

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede